sexta-feira, maio 13

Presente...Passado e Futuro

Sei que está dolorido
Manchado e trincado
Porém não esquecido
Tampouco está acabado

Sei de todas as mágoas
E do gosto de sangue que tem
Esperarei o rolar das águas
E a pureza que da nascente vem

Aflição que precede lágrimas
Angustia análoga a náusea
Ânsia para virar as páginas

Conjugamos o pretérito imperfeito
Muita cautela no presente
Que o futuro carregamos no peito

Saudades de doce futuro
Que amargo e vil passado
O trancou em quarto escuro
Em rancores está acorrentado

“Fragil-mente” de paradoxos
“Debil-mente” hoje vive
“Fiel-mente” roendo ossos
“Triste-mente” da carne que regride

Hoje vivemos o futuro nulo
De ontem, um letal presente
Que nos fustiga sem escrúpulo

Consolo-me – O futuro não existe
Passado? Presente? Vamos lograr
Com teimoso sentimento que resiste

Pesadelos – Sonhos nefastos
Lagrimas correm com sangue
Delírios – Uma noite, sem retrato
Sem vinho, sem ervas, sem chance

Uma figura em ares brancos
Maculada por atroz amor
Desejava dias de ares mansos
E noites de melhor sabor

Carinhos, agressivos e velados
Não mais os tenho, só olhares
Mas os meus a vós – Reservados

Dias mansos – O ensejo
Para em alguma noite
O melhor sabor do beijo.


Gutemberg de Moura


Um comentário:

  1. Parabéns pelo lindo poema e belíssimo blog.
    Forte abraço e até breve,
    Sisino Pereira de Souza.

    ResponderExcluir