terça-feira, setembro 13

Ser Humano... Projetado para Vencer... Programado para Perder!!!

         
       Ao nascer, a criança encontra um mundo novo, cheio de novidades e oportunidades, aonde lentamente vai aprendendo tudo o que precisa para seu crescimento, seu desenvolvimento e sua superação. A natureza fornecera todos os meios necessários para que isso acontecesse, propiciando à criança desde alimento, abrigo e proteção – quwe são fornecidos pela mãe -, até um sistema de aprendizado bastante eficiente, que é natural da espécie humana.
       Herdamos de nossos pais, através de um muitíssimo bem elaborado código genético, a capacidade de pensar, querer, sonhar, procurar, e até mesmo fazer, os meios necessários para alcançarmos nossos objetivos e realizarmos nossos sonhos.
        Nascemos com autoconfiança e amor-próprio suficientes para lutar por todas as coisas que despertam nosso interesse. Recebemos estímulos cerebrais que nos tornam curiosos e ansiosos por novos conhecimentos e experiências, e sempre que descobrimos ou realizamos algo novo somos premiados pela nossa mente com uma grata satisfação que mantém em mais alta e elevada conta a nossa opinião própria e a nossa auto-imagem.
        A gente “chega” ao mundo com essas características, por serem elas absolutamente necessárias e imprescindíveis para uma existência satisfatória neste planeta na condição de humano, ou seja, é impossível ao homem, como elemento da raça, viver bem e se auto-expressar sem ter basicamente duas coisas: AUTOCONFIANÇA E AMOR PRÓPRIO!!! Sendo que a primeira nos leva à segunda e vice-versa.
        Isso soa muito lógico e qualquer pessoa com um mínimo de bom senso concorda com essas explanações, mas, durante os primeiros anos de nossas vidas, somos quase que sem exceção, “reprogramados” para perder essas duas tão necessárias características e conseqüentemente estar inaptos para sermos vencedores durante nossa passagem pele Terra.
        Os especialistas em comportamento Humano, em seus estudos sobre infância e crescimento do ser Humano, afirmam-nos que até os 8(oito) anos de idade a criança recebe mais de 100.000(cem mil) nãos, tendo, desta forma, sua auto-confiança e seu amor-próprio muito abalados, e que pesquisas realizadas com sensores colocados nos ouvidos de uma criança constaram que, para cada elogio recebido, foram-lhe feitas 8(oito) críticas ou censuras. Fica fácil imaginar o quanto tanta falta de incentivo e estímulo influencia em nosso comportamento e em nosso modo de pensar.
           Nossos pais, tios, avós, professores e amigos da família contribuem para tornar reais essas estatísticas, dizendo nãos, negando coisas simples e criticando-nos sem necessidade. É claro que não há maldade ou in-   tenção deliberada em frustrar as crianças, mas todos esses grupos de pessoas têm influência direta em nosso “aprendizado” e na formação da nossa personalidade, contribuindo negativamente para a diminuição do amor-próprio e da auto-confiança durante nosso processo de formação, quando agem da forma descrita anteriormente.
           Quando somos orientados a “Ser Bonzinhos” entendemos que devemos nos submeter e aceitar todo e qualquer tipo de pedido ou ordem, sem contestar se aquilo é bom para nós ou não. E assim o tempo vai passando e nos tornamos cada vez menos capazes de exteriorizar nossa individualidade, assimilando cada vez mais influências da sociedade à qual pertencemos. Abrimos mão, sem perceber, do inigualável direito de auto-expressão como representantes da Raça Humana.
          Não demora muito tempo e nossa mente passa a pensar da seguinte forma: Não é bom desagradar aos outros ou dizer não para algo que me é solicitado, pois isso faria de mim uma má pessoa ou eu não receberia “aprovação” de meu pai, minha mãe, meu tio, meu professor, enfim; daí para fazer uma associação, mesmo que inconsciente, com o fracasso, é um passo, pois poder falar sim para todo mundo implica ter que falar não para nós mesmos muitas vezes.
         O método pelo qual somos, na maioria das vezes, orientados na infância não nos dá opção para exteriorização total de nosso potencial. Ao nos ensinarem sobre as necessidades de obediência, não nos explicaram sobre as conseqüências positivas advindas de tal de tal atitude nem a importância de seguir orientações baseadas em conhecimentos e experiências superiores, e mais uma vez nossa mente “entende” que somos impotentes para fazer algo que não seja unicamente obedecer.
        Quando uma criança começa a compreender as bases da crença de seus pais, especialmente se eles forem Religiosos e Atuantes na Congregação que freqüentam, ela capta todos os “não pode” dos ensinamentos, para fortalecer suas convicções sobre obediência cega, e reforça sua incapacidade de exercer sua individualidade e sua liberdade de pensamento e escolha, o tão falado “Livre-Arbítrio”.
        E é durante o processo de “descoberta do mundo” , na infância, que mais somos bombardeados com “nãos”, e assim formamos a consciência do “não pode”; dessa forma, sempre antes de fazermos algo buscamos alguma mensagem que nos impede de realizar nossos planos, quando, pela lógica, deveríamos fazer exatamente o oposto: Encontrarmos apoio em nós mesmos, na nossa consciência, para fazermos aquilo que desejamos. Você já notou como nossa consciência raramente nos dá afirmativas ao invés de negativas? Você já se deu conta de que são bem poucas as vezes em que nossa consciência diz: “FAÇA ISTO!”? Sendo que na maioria das vezes ela diz: ”NÃO FAÇA ISTO!”, ou: “VOCÊ NÃO PODE/DEVE FAZER ISTO!”. Pois é, isso é efeito da Programação que fizeram em nós durante a infância, a adolescência ou na idade adulta, sem saber que estávamos sendo, podemos Reprogramar nossas mentes em qualquer etapa de nossas vidas, libertando-nos de todas as conseqüências negativas do passado, mudando a nossa trajetória terrena e tornando reais os nossos sonhos do presente.
         Não é curioso que não existam duas impressões digitais, duas íris ou dois DNAs exatamente iguais (exceto os gêmeos idênticos, de um mesmo óvulo) entre os quase 7.000.000.000(sete bilhões) de habitantes do Planeta Terra? E embora tenhamos um código genético idêntico em sua estrutura, independente da Raça à qual pertençamos, não há duas pessoas exatamente idênticas no mundo? Ao analisarmos tais fatos, não podemos chegar à conclusão de que a Força Criadora que planejou o Homem não quis que fôssemos todos iguais, mas sim exatamente diferentes um do outro, e que cada Ser Humano dotado de uma mente com consciente e inconsciente deva pensar, decidir, escolher e viver por si só, expressando sua individualidade sem ser dependente de terceiros, pois todas as coisas necessárias para isso recebemos ao nascer!!!
         No livro de Isaias (2), o maior profeta de Israel, somos orientados a romper todo jugo e servidão para que possamos alcançar nossos objetivos e tornamo-nos aptos a receber aquilo de que necessitamos. Não é lógico que devemos agir por nós mesmos se os desejos que temos são únicos, individuais e intransferíveis? Se aceitarmos viver de acordo com a vontade ou critérios de terceiros, como poderemos concretizar nossos ideais próprios? Como realizar nossos planos pessoais se vivemos pelos conceitos dos outros e agimos como escravos das opiniões alheias?
           Devemos compreender que o poder ilimitado, pertence a cada um de nós, que ao ser manifestado torna real aquilo que desejamos, foi-nos concedido para que possamos expressar nossa individualidade, e ele só nos ajudará no instante em que acreditarmos que ele flui através de nós e não através dos outros. E que o ato de evoluir, ou “Religar” – significado da palavra religião -, é individual, único e intransferível. Não é o Pastor, o Padre, o Rabino. O Missionário ou qualquer outro líder espiritual que fará o processo por Você, mas somente Você poderá fazê-lo. E talvez seja esta a nossa maior missão no Planeta: Exteriorizar nossa capacidade de realização através da compreensão e da aceitação da nossa potencialidade.
            E para que possamos fazê-lo, existe, para nos auxiliar...

(2)Isaias 58:6-Por ventura não é este o jejum que eu escolhi? Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? E que deixes ir livres os quebrantados, e despedaces todo o jugo?

GUTEMBERG DE MOURA

Nenhum comentário:

Postar um comentário